Sábado , 07 de Julho DE 2012

A Justiça Social começa com a Justiça Individual.

Um povo só se torna realmente justo quando conhece, de forma clara e objectiva, o real significado da palavra justiça.

Ainda não aprendemos a importância socioeconómica de se levar a sério o princípio de justiça.

A maioria dos cidadãos conhece apenas duas situações: ser beneficiado ou ser prejudicado.

Infelizmente,  não compreendemos  a discernir estes extremos e a adoptar situações intermediárias.

É no ponto médio, entre o benefício e o malefício, que encontramos o que é justo para todos.

Em linhas gerais, ser justo é não oprimir nem privilegiar, não menosprezar nem endeusar, não subvalorizar e tampouco supervalorizar.

Ser justo é saber dividir correctamente sem subtrair e sem adicionar (sem roubar ou subornar).

Ser justo é não se apropriar de pertences alheios e dar o correcto valor a cada coisa e a cada pessoa.

Ser justo é estabelecer regras claras sem dar vantagem para uns e desvantagem para outros.

Ser justo é encontrar o equilíbrio que satisfaz ou sacrifica, por igual, sem deixar resíduos de insatisfação que possam resultar em desforras posteriores.

A ausência de uma boa educação, nesse sentido, tem propiciado comportamentos extremistas (ora omisso, ora violento) por parte da maioria dos cidadãos..

A falta de diálogo, para se estabelecer o que é justo e correcto, faz o cidadão prejudicado se cansar de ser omisso e partir para violência (ir directo ao outro extremo).

Essas reacções têm acontecido até mesmo entre parentes e vizinhos.

Por isso, precisamos nos reeducar.

Os cristãos, em especial, precisam ensinar ao povo o que é justo e correcto para que os cidadãos não se tornem omissos e saibam estabelecer o diálogo ao perceber toda e qualquer injustiça.

Se cultivarmos um padrão de comportamento realmente justo, ninguém acumulará motivos para se tornar infeliz, desleal, subornável ou violento.

As autoridades precisam agir de maneira totalmente imparcial (sem se inclinar para nenhum dos lados), em respeito aos ensinamentos bíblicos que ordenam que: nem mesmo para favorecer ao pobre se distorça o que é justo, e que sempre se use o mesmo padrão de peso e de medida para qualquer pessoa, seja pobre, rico, analfabeto, doutor, mendigo, autoridade, etc...

A sociedade precisa entender que é a prática correcta do princípio de justiça que produz a paz social viabilizando a prosperidade de forma ordeira e bem distribuída.

A esperteza, a exploração e a má fé, são técnicas ilusórias que têm vida curta e acidentada.

As instituições governamentais, empresas privadas e negócios pessoais, estabelecidos com injustiças, com espertezas, com explorações e má fé, são comparáveis a construções sobre areia porque desmoronam nos dias de tempestades (crises, pragas, acidentes, novas concorrências, etc.).

Mas, os negócios estabelecidos de forma justa, com justiça nos preços, nos salários, nos serviços e nos relacionamentos em geral, são comparáveis a construções sobre rocha porque permanecem de pé mesmo depois de grandes tempestades.

Portanto, precisamos abandonar a mania subdesenvolvida de gostar de levar vantagem em tudo, e cultivar a mania desenvolvida de gostar de fazer e receber justiça em tudo. Já é hora de entendermos que a vantagem que se leva hoje se transforma no prejuízo de amanhã, enquanto a justiça que se pratica hoje se transformará no lucro de amanhã.

Comportar-se de forma realmente justa, tanto na hora de dar ou de vender, quanto na hora de cobrar ou de receber, é condição primordial para um povo se tornar pacífico e bem-sucedido.

 

O efeito da Justiça será a Paz...Isaías 32:17

publicado por o escriba às 22:07
Terça-feira , 15 de Fevereiro DE 2011

A Escrita, o Papel e o Livro ( Parte 2)

 

 

Na Mesopotâmia, mesma terra dos sumérios, criou-se um sistema de símbolos fonéticos em que um mesmo sinal podia ter vários significados. Gravavam-se os caracteres com um estilete em tabuletas de argila húmida que depois eram cozidas, como tijolos, até endurecerem.

 

O estilete fazia sulcos em linhas retas no barro- os historiadores chamaram essa escrita de cuneiforme.

A Escrita provavelmente foi criada por motivos comerciais.

Ela tornava possível, por exemplo, saber que certo número de ovelhas pertencia a determinada família ou era transportada para algum lugar.

O inventor das primeiras tabuletas escritas deve ter percebido as vantagens oferecidas pelas peças de argila: já não era preciso guardar tudo de cabeça.

A quantidade de dados armazenadas nas tabuletas podia ser tão grande quanto fosse necessário - enquanto a capacidade de memória do cérebro é limitada.

E para recuperar uma informação, as tabuletas não exigiam a presença de quem guardava a lembrança.

Um número, uma noticia ou uma ordem podiam ser obtido sem a presença física do mensageiro, e passado adiante.

Com um único ato - a incisão de um traço sobre uma tabuleta de argila - o primeiro escritor anónimo conseguiu ultrapassa barreiras como

o esquecimento, a distancia e a morte.

E, ao mesmo tempo, surgiu a figura do leitor, pessoa que leria as informações e daria vida ao que foi escrito.

A simplificação do código de sinais foi tanta que os escribas mesopotâmicos tiveram tempo para muitos outros registos alem dos comerciais.

O novo sistema possibilitou registar textos literários, poemas,livros de sabedoria, histórias humorísticas e leis.

Como o Código instituído pelo rei Hamurabi, que representou uma das primeiras tentativas de estabelecer regras para aspectos diversos da vida em sociedade.

E a Epopéia de Gilgamesh, datada de mais de quatro mil anos, é o mais antigo texto literário que se em noticia, com forte influencia das tradições orais.

A epopeia ou o poema épico, é uma maneira de contar aventuras heróicas em versos e foi o meio mais comum de expressão literária na época de formação dos povos da Antiguidade.

A escrita cuneiforme sobreviveu aos sucessivos povos que dominaram a Mesopotâmia - sumérios, arcádios, caldeus e assírios - e registou a literatura de 15 diferentes línguas, abrangendo a área ocupada hoje pelo Iraque, Síria e o oeste do Irã.

publicado por o escriba às 17:08

mais sobre mim

Tradutor /Linguagem/idiomas

links

últ. comentários

mais comentados

arquivos

Novembro 2012

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

subscrever feeds

blogs SAPO


Universidade de Aveiro